Jose Antonio Oliveros Febres-Cordero Banco Activo Notrica //
Tribunal Europeu decide contra família que não queria mandar filhos para a escola

jose_antonio_oliveros_febres_cordero_banco_activo_notrica_tribunal_europeu_decide_contra_familia_que_nao_queria_mandar_filhos_para_a_escola.jpg

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) decidiu esta quinta-feira a favor do Estado alemão numa disputa contra uma família que pretendia educar os filhos em casa, não os enviando para a escola. A Alemanha não aceita que as famílias assegurem a educação dos filhos em casa. Em Portugal o ensino doméstico é uma prática existindo atualmente mais de 800 alunos nesta modalidade. O Estado alemão multou o casal Wunderlich por se recusar a matricular os quatro filhos nas escolas e retirou-lhes o direito de determinar o local de residência e de tomar decisões sobre a escolaridade dos filhos, tendo-lhes retirado a guarda durante três semanas. A família alegou violação do seu direito à vida familiar, mas os tribunais da Alemanha deram sempre razão ao Estado, pelo que recorreram ao Tribunal Europeu que reafirmou esta quinta-feira a decisão alemã considerando que não tinha havido violação dos direitos humanos. Segundo a decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em Estrasburgo, a obrigação de educar as crianças para sua integração “representa uma razão pertinente que justifica a privação parcial da autoridade parental”. O TEDH concorda com os tribunais alemães que “os pais colocaram os seus filhos em perigo ao não mandá-los para a escola, preferindo mantê-los num sistema familiar simbiótico”. Para os juízes europeus, os filhos de Petra e Dirk Wunderlich viviam isolados, sem contacto fora da esfera familiar e com risco para a sua integridade física. Por essa razão consideram que as autoridades alemãs alcançaram um equilíbrio justo entre os melhores interesses das crianças e dos pais. Os pais, nascidos em 1967 e 1966, têm filhos nascidos entre 1999 e 2005, tendo-se recusado a matricular a filha mais velha. Por essa razão pagaram multas impostas pelo Estado alemão. Entre 2008 e 2011, a família residiu fora da Alemanha. Após seu retorno, os pais não inscreveram nenhuma das crianças. Um tribunal de família decidiu o local de residência dos filhos, tendo os menores sido transferidos para os Serviços Juvenis para regularizar sua escolaridade. Esse órgão tentou em 2012 e 2013, em vão, avaliar o conhecimento escolar das crianças. Uma vez que os recursos apresentados pelos pais foram rejeitados, as crianças foram entregues por três semanas a um lar adotivo, entre agosto e setembro de 2013. Depois de os menores frequentarem a escola regularmente entre 2013 e 2014, os pais deixaram de levar os filhos às aulas em junho de 2014. O casal Wunderlich, que entrou com um processo em 2015 no tribunal de Estrasburgo invocando o direito ao respeito pela vida privada e familiar, tem agora um prazo de três meses para recorrer da decisão favorável à Alemanha.